domingo, 15 de julho de 2007

Barra do Chui - RGS Brasil/Uruguai


Depois de percorrer os longos 1000 km que afastam Florianópolis da Barra do Chui, finalmente chegámos. Mas não foi uma chegada qualquer. Nós tinhamos chegado ao fim do Brasil!! Percorremos toda a costa do Rio Grande do Sul, parámos em Porto Alegre, atravessámos em marcha mais que lenta os 40 Km da Lagoa dos Patos (maior recta que alguma vez vi). E finalmente, chegámos!
O objectivo era entrar com o carro no Uruguai e conduzir até Montevideu, por questões legais não foi possível. No entanto a estadia na Barra do Chui revelou ser muito mais do que à partida pensávamos. Aprendi, naquele instante que muitas vezes, o importante não é o destino mas o caminho que se percorre para lá chegar. Aqui, foi, sem dúvida, o caso...
Estava a anoitecer, parámos o carro e sentimos um arrepio... tudo estava paralisado e a temperatura já não era aquela a que estávamos habituados. No meio daquele fim de país, existia um restaurante onde jantamos o verdadeiro churrasco gaúcho com direito a personagens idênticas àquelas que vemos nas novelas brasileiras vestidos à "cowboy".
Encontramos um sítio para dormir, uma cama com um colchão de palha e um fosso onde caímos durante toda a noite, mas o cansaço foi muito mais forte. Naquela manhã, tomamos, acho que o pior pequeno almoço das nossas vidas mas fizemos um avanço... A dona da pousada acordou tomar conta do carro, por 10 reais por dia, enquanto estivéssemos no Uruguai. Problema principal resolvido, já não tinhamos de nos preocupar com o carro.
Pisamos o fim do Brasil, tiramos fotos ao local que no fundo não tinha nada de extraordinário. Sentimos o ambiente binacional percorrendo a avenida que divide o Brasil do Uruguai. Saltitámos de um lado para o outro e claro, o auge aconteceu quando estava com uma perna no Uruguai e outra no Brasil!! Compramos maços de Marlboro a 90 escudos, a brasileiros que falavam espanhol e fumamos palha durante quase 8 dias... Tentamos aderir à cuia e ao mate. Éramos só os dois mas era suficiente... foi uma solidão partilhada...
O almoço foi no Uruguai com vista para o Brasil, no restaurante de um senhor que não sabia a localização exacta do nosso país mas conhecia o FCP. Amigos, acreditem, o Porto é mesmo uma nação e não é por causa da Casa da Música ou da Torre dos Clérigos!
Compramos os bilhetes de autocarro e partimos, o destino era agora, Punta del Este...
(este texto é dedicado a uma pessoa muito especial que tem paciência para viajar com pessoas que lêem os mapas ao contrário... obrigada por tudo mas principalmente pelos momentos... )

2 comentários:

Mabides disse...

Bebas, sem dúvida que com essa descrição muito pouco fica por dizer, apenas que snti um enorme orgulho em ter partilhado esses momentos todos contigo, apesar de na próxima vez confiar as indicações a um GPS! Adorei e irei continuar a adorar viajar e descobrir este nosso planeta contigo e com o teu feitio desenrascado. Os opostos atraem-se e no nosso caso a coisa funciona como mandam as regras!! BJS! Sempre quero ver se algum dia vais falar das férias na Jamaica! Private Joke pessoal não vale a pena entenderem!!

Francisca Correia disse...

Bem... as férias na Jamaica.. são umas férias que tem ser muito bem pensadas... sabes como é avides eu gosto de vidinha fofa.. mas prometo que vou hibernar sobre o assunto.. looool
Quanto ao GPS não há melhor do que eu a ler mapas ao contário, não vias metade do que viste!!
xi coração
ifrancisca